domingo, 18 de abril de 2010

Perigo: "Remédio para emagrecer com venda controlada é vendido por camelôs"

Inicio meu blog com um assunto bem polêmico, mas muito comum no consultório: o uso indiscriminado de remédios para emagrecer. São remédios que prometem um efeito cinderela: emagrecer comendo de tudo ou inibir a fome de uma vez por todas. Não é bem assim que acontece.

Primeiro: Muito estudos já mostram que, esses tipos de remédios desregula o metabolismo do paciente, de uma forma que o peso recuperado pode chegar ao dobro. Isso mesmo: você ganha o dobro do peso que gostaria de perder (ou peso perdido). Vamos combinar: não é difícil encontrar pessoas entre nós que tenham esse discurso, não é mesmo?

Como se não bastasse, ele causa uma "confusão" no nosso sistema emocional, desregulação da tireóide entre outros desequilíbrios hormonais. É isso mesmo: muitos pacientes que apresentam Tireoidite de Hashimoto, alguma vez já fizeram uso de remédios para emagrecimento. Coinscidência ou consequência?

No caso de compulsão alimentar, se faz necessário a regulação e verificação de secreção dos hormônios neurotransmissores da saciedade e fome, e se há deficiência de nutrientes que fazem essa regulação. A ingestão do remédio, só será capaz de piorar o problema, já que a Nutrição celular fica cada vez mais prejudicada, e por consequência aumentando o problema.

Para finalizar meus cometários (pois seria capaz de falar muito mais!), a Europa proibiu sua comercialização. Por que será? Aproveito para deixar meu protesto: O Brasil é o terceiro país do mundo (só perdendo para Argentina) que mais utiliza de remédios para emagrecer. Será que seria um pequeno prejuízo para as farmácias e para o cofres do governo sua proibição no Brasil? (PENSEM NISSO!)

Bom, espero que a leitura seja proveitosa e esclarecedora. Enviem seus comentários!
Muita saúde!

Fonte: Jornal Nacional - 16/04/10
A sibutramina, um remédio para diminuir o apetite, teve a venda proibida na União Européia porque aumentaria o risco de infarto. No Brasil, teve a venda controlada pela Anvisa há duas semanas.
Um comércio perigoso e ilegal: camelôs foram flagrados vendendo sibutramina. É um remédio para emagrecer que teve a venda controlada pela Anvisa há duas semanas.

A sibutramina fica escondida entre bugigangas e aparelhos eletrônicos. É vendida fora da caixa e sem a bula. E é a própria vendedora que explica como deve ser usada.
O remédio que ajuda a diminuir o apetite teve a venda proibida na União Européia no início do ano porque aumentaria o risco de infarto.
No Brasil, a Anvisa passou a exigir que o remédio seja vendido com retenção de receita.
Mas no maior centro de bancas de camelôs de Porto Alegre, um homem oferece o medicamento livremente.
Homem: É mais caro que a farmácia.
Repórter: Por quê?
Homem: Porque é proibido, amigo. Eles pegam da farmácia para vender aqui.
O comércio irregular da sibutramina e de outros medicamentos controlados acontece à luz do dia, em meio a milhares de pessoas. A prefeitura de Porto Alegre fechou algumas bancas de camelôs, mas a venda continua. Até a polícia reconhece a dificuldade em combater a ação dos criminosos.
“Nós temos muitas dificuldades. As pessoas identificam facilmente quando a polícia está fazendo campanas. E infelizmente, as pessoas não ficam com o produto ali, eles ficam em outros lugares”, explica a delegada Patrícia Pacheco.
Na embalagem, a origem do produto: o Paraguai. Segundo a Polícia Federal, boa parte do medicamento entra ilegalmente no país pela fronteira. Muitos brasileiros vão até o Uruguai. Em Rivera, a sibutramina é vendida sem receita em várias farmácias.
Vendedor: Não diga que o senhor comprou aqui. Porque isso precisa de receita controlada!
Repórter: O brasileiro compra direto?
Vendedor: Sim! As mulheres então, nem se fala!
Em outra farmácia, a receita é oferecida pelo proprietário.
Proprietário: Nós conseguimos (receita).
Repórter: Por que tem algum médico conhecido aí?
Proprietário: Não, o hospital tem. A receita é do hospital ali.
Cassiane Bonato, endocrinologista da PUC do Rio Grande do Sul, alerta: usar remédios de origem desconhecida e sem o acompanhamento médico é um perigo. Ainda maior para quem tem problemas no coração.
“Você pode colocar em risco o paciente usando este tipo de medicação sem o controle adequado e sem ficar controlando frequência cardíaca, pressão, ritmo cardíaco. Estes pacientes precisam ser controlados”, avisa.

6 comentários:

  1. Excelente matéria Dra Silvia!

    Eu sinceramente acredito que aqui, mais uma vez, temos parte da culpa deste absurdo na população.
    Tudo bem... a possibilidade de poder atingir resultados rápidos e de uma forma barata atrai qualquer pessoa. Mas, vamos combinar: além dos seus ensinamentos sobre os males destes tipos de medicamentos, no mínimo, as pessoas deveriam ter a maturidade de saber que comprar qq coisa em camelô é sinônimo de incerteza de procedência. Quem garante que aquele remédio (mesmo sendo um horror para o organismo!!!) não é maizena, canja de galinha ou coisa pior como o cal por exemplo, como mostrado em uma matéria recente de comprimidos com cal vendidos em Nova Iguaçu-RJ.
    Bom... espero que sejamos mais "Pacientes" para a obtenção de corpo e mente cada vez melhores.

    Parabéns pelo blog ;)

    ResponderExcluir
  2. Que furada!! remédio não está com nada!!Nunca deu certo emagrecer de forma muito rápida !!!
    O ideal para mim , é não pensar na comida como idéia ou motivo principal do meu dia, dessa forma vou mudando o meu ser,me alimentando de forma natural e com saúde. Eu sempre procuro ajuda de um profissional(nutricionista) competente que me trate de forma singular bjs mil !!!!

    ResponderExcluir
  3. junior somente junior26 de abril de 2010 13:20

    muito importante Dra.Sílvia destacar essa questão se tratando de saúde onde as pessoas desinformadas ou enganadas se arriscam nesses remédios atingindo resultados inversos do que desejam ou até mesmo problemas mais sérios, na verdade todos nós sabemos que não se deve tomar remédios por conta própria ainda por cima de camelô onde geralmente se encontra falsificações, alterações dos produtos, desvalorização de profissionais formados emfim... então galera quer emagrecer procure orientação certa pois com saúde não vale arriscar.

    ResponderExcluir
  4. Adorei o blog e as matérias, já tô seguindo!
    Bjus
    Fa

    ResponderExcluir
  5. Silvia, vc atende em Macaé? Por favor,me passe seu telefone e endereço lá. Me informe tb por em-amil se voce atende por algum plano de saúde e o valor da consulta.
    Abçs e obrigada!
    Paula

    paulasirelli@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi Paula!

    Escreva para silvia@silviacoelho.com que entro em contato, ok?

    ResponderExcluir